Sábado, 27 de Setembro de 2008

O farol

 

 

Texto escrito para o 6º jogo das doze palavras do EREMITÉRIO, desta vez com 60 palavras, as doze de cada um dos cinco jogos anteriores. Interessante este jogo, dado que  as mesmas palavras, tantos e variados textos gera. Experimentem pelo menos uma vez, eu fiz o mesmo e adorei. E já agora vão lá dar uma olhadela, vale a pena.

 

 

 

 

O Farol

A abrupta e vertical noticia , deixou um efeito avassalador no coração daqueles pais. A morte rondava o corpo daquela criança, segundo o médico exponente. Sem pedir licença, uma doença desconhecida e mortal, tinha afectado o seu filho. Loucura total. Teriam de agir bem rápido. Sair do país, não era sequer uma obstrução, pelo contrário, deixava emergir uma esperança, por muito ínfima que fosse.
Diriam ao menino que iriam fazer uma viagem, que iria ser muito do seu agrado, pois proporcionava-lhe ver as coisas mais belas que alguma vez já tivesse visto e ao mesmo tempo ter como conselheiro um novo médico, para tratar a sua doença. Estavam na disposição de correr mundo e “vasculhar” todos os seus cantos, todo e qualquer método de cura para o seu tão precioso “tesouro”.
Sentiam aqueles pais, o ostracismo de Deus e suas simples vidas transformadas num verdadeiro inferno.
Saíram os três, de malas feitas, numa cedissíma manhã de orvalho. A sombraténue da madrugada começava a comungar com o nascer do sol.
No barco a vapor, o distanciamento de sua terra, fazia-se já sentir. A linha do horizonte era a fusão perfeita, do azul do mar, com o azul do céu.
O menino olhava em frente, como quem quer absorver tudo, aquele imenso mar, o movimento amortecido do navio, as gaivotas no céu, era tudo tão envolvente para ele.
As viagens decorreram sem sobressalto. Navegaram em águas calmas, sempre, nem um indicio de mínima tempestade que tanto receavam, mais pela criança que por eles próprios.
Foi observado, por muitos médicos, por muita outra gente, mas a conversa, infelizmente era variada, mas não variável no seu conteúdo.
A mãe todos os dias ia à capela frente à sua casa, onde de tão antiga que era, a CAL caía de suas paredes em abundância, mas nem se dava conta disso. Na sua vulnerabilidade, ora orava, ora simplesmente olhava sem ver a rosácea, apenas seu olhar fixo nas suas cores. Era o seu pequeno momento em que se sentia nefelibata.

A silhueta do pai, todas as noites, se podia ver à luz da candeia, fechado no seu casulo inerte, apoiado no cotovelo e sua mão a suster a cabeça, simplesmente sentado na sua poltrona de sempre. Pretendia assim, afastar aquele mau sonho, aquela tão dura pena, que a todos tinha atingido de um momento para o outro.

Mandou fazer e colocou no quarto de seu filho, uma tapeçaria na parede com motivos de mar, porque após a viagem, o menino, nunca mais falava de outra coisa.

Um dia o pai ofereceu ao filho uma linda caixa em forma de navio e lá dentro chocolate. O menino abriu a caixa, fixou o conteúdo e disse com voz muito terna: Vi tanta coisa, papá, mas nunca vi um farol de perto, nas nossas viagens todos estavam tão longe!!! Em toda a minha vida sempre desejei entrar num.

No jardim da casa, outrora soberbo, as raízes vagueavam por muitos lados, o lago já não continha água, apenas lodo e folhas velhas, as flores cresciam desordenadamente, mas o pai pensando que pelo menos esse desejo de seu filho podia realizar, mandou construir um farol e em simultâneo tratar o jardim, que há tanto tempo o menino não frequentava.

O farol ficou pronto, num curto espaço de tempo. Parecia até real, igual aos faróis que iluminavam as viagens dos navios.

Pegou no seu filho ao colo e sua esposa a seu lado, subiram degrau a degrau, com o luar atrás a inundar aquela tão bela obra de arte.

O menino ficou maravilhado, riu, sorriu, deu grandes gargalhadas, ficou calado, estupefacto, incrédulo, mas foi o momento mais feliz da sua tão pequena existência, e disse: Papá! Mamã! Obrigado!!! Este dia valeu por todos os outros dias que vivi, o dia mais emocionante da minha vida, jamais o vou esquecer. Eu vos adoro muito, muito, muito!!!.

E ainda hoje, após tantos anos passados, se pode ver aquele farol, embora erodido a sobressair daquela casa agora desabitada, onde tanta dor, tanta lágrima e tanto amor, como o farol, ainda lá residem.
 

publicado por Sempre seriamente na boa às 11:28
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 14 de Setembro de 2008

Mãos.

Estava já tão habituada a sentir o enlace de tantas mãos estranhas, quer carinhosos ou não no seu pequenino corpo, mas aquele dia foi diferente, apesar de ser apenas mais um dia.

Naquele dia foi mesmo diferente, deram-lhe as suas mãos em simultâneo, uma mão de cada um de seus avós, nas suas pequenas mãos de quatro anos de idade.

O avô levava numa mão uma  mala, na outra a mão da neta e a cara em frente , serio, como sempre se lembrara dele, austero. A avó levava numa mão, o lenço da cabeça, a tentar esconder a cara, das lágrimas que por ela se vertiam. Mas a criança via, mas também ria, era inédito ambos os avós unidos, de mãos dadas com ela, ali, por aqueles caminhos novos até para ela.

Chegaram a um sitio onde estavam os comboios, onde estavam duas caras, uma sorria muito, a senhora, a outra não, o senhor. E os avós disseram á criança: Agora vais com estes senhores de comboio, vais adorar a viagem, vais ver. E deram cada um as mãos da  criança, aquelas caras que, uma sorria, a outra não. E a criança sentiu, uma espécie de frio desconfortável, ao sentir o trocar de mãos. Tinha outras mãos agora nas suas, para continuar a caminhar, a crescer.

As duas caras ajudaram a criança a subir para o comboio, ficou á janela, virada para o lugar onde supostamente estariam os avós. e sim lá estavam eles. Sem entender porquê, observou a avó que chorava, mas, o avô também e isso a criança nunca tinha visto.

O comboio começava a afastar-se deles, mas a criança e os avós até já não se verem, disseram adeus com as mãos, apenas as lágrimas a verter pelas faces de ambos, ficou marcado profundamente na sua memória.

Começou a conversar, embora timidamente, com aquelas duas caras, mas também sentiu uma espécie de gostar naquela cara com aquele tão belo sorriso, tão doce olhar. Pouco  tempo depois, estava a criança a chamar mamã á cara que sorria tão doce e papá a cara que nunca sorria. E viveu com aquelas duas caras quase um ano da sua vida, onde aquela cara que sorria muito, conseguiu fazer sair um tão grande amor, ainda hoje sentido, por aquele tão doce sorriso e aquele tão doce olhar.

publicado por Sempre seriamente na boa às 11:33
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008

Assim vai o nosso país!!!

Foi a minha cunhada que me enviou este texto, que por sua vez lhe foi enviado por outrem que não sei quem é... o qual achei imensa piada. Mas como rir faz bem á pele e não só, decidi coloca-lo aqui.

Só não quero é ver a cara dos professores, ehehehe!!!

 

 

 

 

 

'O metro é a décima milionésima parte de um quarto do meridiano terrestre e para o cálculo dar certo arredondaram a Terra! '
 
'O cérebro humano tem dois lados, um para vigiar o outro.'

'O cérebro tem uma capacidade tão grande que hoje em dia, praticamente, toda a gente tem um.'

'Quando o olho vê, não sabe o que está a ver, então ele Amanda uma foto eléctrica para o cérebro que lhe explica o que está a ver.'
 
'O nosso sangue divide-se em glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e até verdes! '

'Nas olimpíadas a competição é tanta que só cinco atletas chegam entre os dez primeiros.'
 
'O piloto que atravessa a barreira do som nem percebe, porque não ouve mais nada.'
 
'O teste do carbono 14 permite-nos saber se antigamente alguém morreu.'
 
'Antes mesmo da guerra a mercedes já fabricava volkswagen.'
 
'Pedofilia é o nome que se dá ao estudo dos pêlos.'
 
'O pai de D. Pedro II era D. Pedro I, e de D. Pedro I era D. Pedro 0'
 
'Nos aviões, os passageiros da primeira classe sofrem menos acidentes que os da classe económica.'
 
'O índice de fecundidade deve ser igual a 2 para garantir a reprodução das espécies, pois precisa-se de um macho e uma fêmea para fazer o bebé. Podem até ser 3 ou 4, mas chegam 2.'
 
'O homossexualismo, ao contrário do que todos imaginam, não é uma doença, mas ninguém quer tê-la. '
 
'Em 2020 a caixa de previdência já não tem dinheiro para pagar aos
reformados, graças à quantidade de velhos que não querem morrer.'
 
'O verme conhecido como solitária é um molusco que mora no interior, mas que está muito sozinho.'
 
'Na segunda guerra mundial toda a Europa foi vítima da barbie nasista.'
 
'Cada vez mais as pessoas querem conhecer a sua família através da árvore ginecológica.'
 
'O hipopótamo comanda o sistema digestivo e o hipotálamo é um bicho muito perigoso.'
 
'A Terra vira-se nela mesma, e esse difícil movimento chama-se
arrotação.'
 
'Lenini e Stalone eram grandes figuras do comunismo na Rússia.'
 
'Uma tonelada pesa pelo menos 100Kg de chumbo.'
 
'Quando os egípcios viam a morte a chegar, disfarçavam-se de múmia.'
 
'Uma linha recta deixa de ser recta quando encontra uma curva.'
 
'O aço é um metal muito mais resistente do que a madeira.'
 
'O porco é assim chamado porque é nojento.'
 
'A fundação do Titanic serve para mostrar a agressividade dos
ice-bergs.'
 
'Para fazer uma divisão basta multiplicar subtraindo.'
 
'A água tem uma cor inodora.'
 
'O telescópio é um tubo que nos permite ver televisão de muito longe.'
 
'O Marechal António Spínola é conhecido principalmente por estar no dicionário.'
 
'A idade da pedra começa com a invenção do Bronze.'
 
'O sul foi posto debaixo do norte por ser mais cómodo.'
 
'Os rios podem escolher desembocar no mar ou na montanha.'
 
'A luta greco-romana causou a guerra entre esses dois países.'
 
'Os escravos dos romanos eram fabricados em África, mas não eram de boa qualidade.'
 
'O tabaco é uma planta carnívora que se alimenta de pulmões.'
 
'Na Idade Média os tractores eram puxados por bois, pois não tinham gasolina.'
 
'A baleia é um peixe mamífero encontrado em abundância nos nossos rios.'
 
'Quando dois átomos se encontram, vai dar uma grande merda.'
 
'Princípio de Arquimedes: qualquer corpo mergulhado na água, sai
completamente molhado.'
 
'Newton foi um grande ginecologista e obstetra europeu que regulamentou a lei da gravidez e estudou os ciclos de Ogino-Knaus.'
 
'A trompa de Eustáquio é um instrumento musical de sopro, inventado pelo grande músico belga Eustáquio, de Bruxelas.'
 
'Parasitismo é o facto de um gajo não trabalhar e viver à 'pala' dos
outros, de dinheiro, cigarros e outros bens materiais.'
 
'Ecologia é o estudo dos ecos, isto é, da ida e vinda dos sons.'
  
'A Biologia é o estudo da saúde. E para beneficiar a saúde é que foi
inventado o biotónico.'
 
'As constelações servem para clareficar a noite.'
 
'Ao princípio os índios eram muito atrasados mas com o tempo foramse sifilizando.'
 
'O Convento dos Capuchos foi construído no céculo 16 mas só no céculo 17 foi levado definitivamente para o alto do monte.'
 
'A História divide-se em 4: Antiga, Média, Momentânea e Futura, a mais estudada hoje'
 
'A Bigamia era uma espécie de carroça dos gladiadores, puchada por dois cavalos.'
 
'As aves teem na boca um dente chamado bico.'
 
'A Terra é um dos planetas mais conhecidos e habitados do mundo.'

 

 
 
 
tags:
publicado por Sempre seriamente na boa às 13:24
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito

.Lis

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Eu Sou mas...

. Rio de Frades e Minas de ...

. Pensamento Positivo

. Ser ou não ser…não é tret...

. Sátira de causas e efeito...

. Felicidade a dois

. Confiar

. Palavras para ti

. Momentos

. Discriminação

.arquivos

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.tags

. metro(1)

. síndrome de asperger(1)

. todas as tags